Blog do Pedro Hauck: Setembro 2020

25 de setembro de 2020

As montanhas brasileiras são montanhas?

 Se tem uma coisa que eu sempre deparo é com gente que afirma que no Brasil não existem montanhas. Sabemos que em nosso território estamos em uma região estável tectonicamente e distante dos limites da placa Sulamericana, região ativas onde ocorrem atualmente fenômenos orogenéticos. 

Mas e quando olhamos para o Dedo de Deus, Agulhas Negras, Pico da Bandeira, Pico dos Marins, Itaguaré, Pão de Açúcar, Corcovado, Marumbi, O Frade e Freira, Pico Maior e tantos outros exemplos. Estas formas do relevo não são montanhas? O que dizem os geógrafos, ou melhor, os geomorfólogos que são os especialistas na ciência do relevo?

Antes de começar, precisamos nos ater que nas ciências há visões divergentes e esta divergência é importante para evolução do conhecimento, esta é um premissa do método científico. Existem muitas teses que foram rebatidas e que apesar de não serem mais o pensamento corrente, elas emolduraram um pensamento que foi importante na maneira como enxergamos um objeto. 

Na geomorfologia, um dos pensamentos mais importantes, mas que já é ultrapassado é a visão de William Morris Davis advinda de sua tese "O Ciclo Geográfico" onde o autor enxerga o relevo através de sua origem. Ou seja, uma visão genética. Através disso ele vê a idade das formas de relevo e uma montanha alta, com cume estreito, vertentes escarpadas seriam montanhas jovens, pois teriam surgido a pouco tempo e por isso ainda preservavam sua forma. Em oposição, montanhas arredondadas, com baixa altitude, solos evoluídos seria montanhas velhas, pois elas eram montanhas como as "jovens" no passado, mas o tempo teria erodia-as, deixando-as mais baixas e desgastadas. No final, o relevo "senil" seriam grandes planícies, com rios cheios de meandros.  Nesta visão de Davis, dá para entender que o relevo do Brasil é um relevo mais antigo, não é verdade?

Bom, a tese de Davis é de 1899 e até hoje se ensinam isso nas escolas. É evidente que tudo o que foi produzido depois disso demonstram que a relação de forma e idade não estão totalmente correlatas. Inclusive com o advento de algumas técnicas termocronológicos, pudemos datar as formas de relevo e assim refutamos a teoria davisiana de uma vez por todas. A quem gosta de ir a fundo na origem dos dados, deixo o link do Laboratório de Termocronologia da Unesp de Rio Claro, onde vocês poderão ter acesso a inúmeros artigos em regiões de montanha (Serra da Mantiqueira, Serra do Mar) onde é comprovado cientificamente que estas regiões sofreram com tectonismo recentemente e que estas montanhas tem a mesma idade dos Andes. Então qual o fato de um ser mais antigo que outro?

Aproveito e deixo um artigo, onde eu sou um dos autores, onde utilizo dado indiretos que demostram tectonismo recente na Serra do Mar paranaense: https://revistas.ufpr.br/raega/article/view/29458

Também deixo o link do grupo de estudos de Neotectônica da UFPR, conduzido pelo competente pesquisador Eduardo Salamuni, que foi meu ex orientador de doutorado, onde também há inúmeras pesquisas que demonstram a influencia de uma tectônica recente no relevo da Serra do Mar do Paraná: http://www.neotectonica.ufpr.br/2013/ 

Dentre as pesquisas do grupo Neotectônica, deixo o link da tese de doutorado do Edenilson Nascimento que comprovou que diversos rios tributários na Serra do Mar do Paraná estão condicionados a estruturas evoluídas em eventos tectônicos muito recentes. Esta pesquisa deu origem a inúmeros artigos e as pesquisas continuam...

Como pudemos ver neste breve texto, as pesquisas estão evoluindo e apesar de ter sido importante, hoje a tese de Davis é apenas estudada na esfera da epistemologia da ciência e não no curso de novos conhecimentos. Porém infelizmente ainda muitos geógrafos repetem Davis hoje em dia como se esta corrente de pensamento fosse atual. 

Por fim, para terminar a discussão, nem precisaríamos entrar na discussão genética para afirmar se no Brasil há montanhas. Consultando qualquer dicionário geológico geomorfológico, como é de Guerra e Cunha (tem várias edições), é possível ver que na geomorfologia a forma de relevo montanha está relacionada com sua forma e não origem. Ou seja a ciência do relevo afirma que montanha é uma forma topográfica que se eleva por mais de 300 metros, enquanto que morro é uma elevação inferior a 300 metros. 

Respondendo à pergunta: Existem montanhas no Brasil?

Sim, existem muitas! Abaixo uma pequena amostra:


Pão de Açúcar, 350 metros a partir do nível do mar.

Agulhas Negras
Pico da Fortaleza (ES), espelhado em lago. Foto de Edemilson Padilha - Conquista Montanhismo.

Pico dos Marins.
Corcovado de Ubatuba. Foto Elio Nehls

Soldados de Sebold - SC

Pico Paraná. Mais de 1500 metros de desnível desde a base

Abaixo alguns vídeos interessantes:


Não deixe de ver meu artigo sobre como evoluiu a Serra do Mar:


17 de setembro de 2020

Retorno e fechamento do Anhangava (de novo)

Ontem, dia 16 de setembro, fui junto com o amigo Robson  Andrighetti ao Morro do Anhangava pela primeira vez neste ano. Em 2020 ainda não havia escalado em rocha, pois sai do Brasil em Dezembro para trabalhar na temporada de montanha da Argentina e Chile e retornei no meio da pandemia em Março. Em 22 anos nunca fiquei tanto tempo sem escalar e ir à montanha.

Os motivos para este jejum de montanhas foi, primeiramente, a própria pandemia que fechou os acessos à montanhas e depois, na abertura em 11 de agosto, devido à incompreensível “invasão” das montanhas por pessoas que não tinham relação com ela. Comportamento este que previ em vídeo no canal do AltaMontanha que aconteceria.

Meu retorno às montanhas teve que ser numa quarta-feira por conta do excesso de pessoas em fins de semana. Foi uma decisão acertada, pois encontrei poucas pessoas na trilha e ninguém nas vias. Escalei as mais clássicas, Monica Total, Solanjaca, RS, Sétimo dia e outras. Felizmente guiei sem dificuldade.

Sai animado, pensando em retomar as escaladas seguindo essa estratégia, mas infelizmente, na volta recebi a notícia que após as invasões, a polícia, bombeiros e forças de segurança pediram o fechamento do Anhangava. Pico Paraná, Marumbi também estão na lista das montanhas fechadas, todos os dias da semana.

Triste notícia!