Blog do Pedro Hauck: Dezembro 2018

5 de dezembro de 2018

Xiamen a ilha da magia da China


De Ningbo até Xiamen são 950 Km, mas de trem de alta velocidade leva-se apenas 5 horas e 20 minutos. A viagem foi tranquila e a paisagem muita bonita, pois o interior da Província de Fujian é bastante montanhosa e há inúmeras montanhas rochosas, as quais fiquei imaginando  quanta escalada poderia se desenvolver lá.

Paisagem montanhosa de Fujian
Distraído, fico assustado quando vejo no relógio e noto que faltava menos de meia hora para chegar no destino, mas olhando no google maps do celular, vejo que ainda estava longe de Xiamen. Será que o trem é tão rápido assim? Vejo novamente o ticket e noto que o destino está marcado como XiamenBei, e não Xiamen.

Pesquiso e reparo que XiamenBei é uma estação longe do centro de Xiamen, que é uma ilha. Comparando com um caso brasileiro, seria como se Xiamen fosse a Ilha de Florianópolis e a estação onde eu iria descer fosse Palhoça ou São José. Fico preocupado.
Desço na plataforma e começo a buscar uma forma de chegar na ilha. No entanto, na própria estação vejo uma placa em inglês apontando onde fica uma estação de ônibus BRT que vai até lá. Pesquiso o mapa, vou na bilheteria e falo pelo google translator que quero ir no ultimo ponto. A cobradora então me dá um ticket e vou até a plataforma, aguardo uns 15 minutos e entro no ônibus que tem um ideograma igual ao do mapa que tenho em mãos.

O ônibus, sai da estação e vai ganhando velocidade por sua canaleta exclusiva. Vou apenas curtindo a paisagem e noto que ele passa reto em uma entrada que dizia “island”. Fico novamente preocupado. Será que peguei o ônibus errado? Pergunto a um passageiro e ele confirma, para minha tranquilidade, que estou no certo.
Vou então com minhas mochilas apenas curtindo a paisagem, notando a ponte que liga o continente à ilha, vendo as casas, os apartamentos e toda a organização da cidade, que tem uns 3,5 milhões de habitantes. A canaleta então vira um viaduto do tipo minhocão e assim vamos até a ultima estação, onde desço.
Lá caminho alguns quilômetros pela avenida até achar um táxi disponível, que não custa caro e que me leva até um hostel que havia reservado. Enfim alguém que posso falar inglês!

Xiamen a noite.

Deixo minhas mochilas no quarto e saio para curtir a cidade. Já está escurecendo e vou apenas observando o comercio e pensando no que comer. Novamente, como em outros locais da China, Xiamen tem muitos restaurantes e muita variedade. A região da cidade onde estou é cheio de vielinhas com casas típicas, mas no horizonte se destaca dois arranha céus de vidro hiper modernos.
No dia seguinte pela manhã aproveito para conhecer o templo de Mamputuo, um templo budista com arquitetura belíssima. Atrás dele há um morro cheio de trilhas, mas não arrisco ir muito longe, pois o calor dificultou minha vida. 












Meu objetivo em visitar Xiamen era visitar um fornecedor de roupas técnicas para alta montanha. Havia agendado a visita na empresa, mas desde que cheguei na China, responsável não me mandava mais e-mail. Decidi ligar, mas tocava, tocava e ninguém atendia. Assim, decidi ir até o endereço mesmo sem confirmação.

Fui até a rua Simen, que é a principal da cidade e lá, por apenas 1 Yuan tomei um ônibus em direção à região portuária, onde fica a empresa que queria visitar. Atravessei o centro da cidade e cheguei na sede da empresa, que na verdade é um condomínio de edifícios. Ligo novamente para eu contato e desta vez ele atende e vem me buscar.

Foi uma visita rápida, mas interessante.

A volta para o hotel foi em ritmo de passeio. Fiquei observando a paisagem urbana, como pode um lugar perto de porto que seja tão bonito e com paisagismo tão verde. Aproveitei para conhecer melhor o centro e no final mudei o cardápio e comi uma comida japonesa.

Xiamen é muito bonita e cheia de rochas. É uma geografia urbana interessante. Uma ilha, com praia, porto, morros, cidade antiga, cidade moderna. É uma Florianópolis mais rica, maior e mais organizada.

Fui dormir cansado após caminhar tanto. No dia seguinte iria deixar a China pra trás e ir para Hong Kong, que é uma China que não é China. Mas isso fica para o próximo capítulo...

Paisagismo na região do porto