Blog do Pedro Hauck: Escalando a Lidiane Arnaud no Bauzinho

11 de dezembro de 2014

Escalando a Lidiane Arnaud no Bauzinho

Com suas paredes verticais e bem acessíveis, o Bauzinho possui diversas vias de escalada desafiadoras que orçam os duzentos metros de altura. Já havia escalado outras vias no local e desta vez, junto com a Maria e por recomendação do Rafael Wojcik, decidi entrar na Lidiane Arnaud, via que ele abriu com o Mario (marido da Lidiane) no ano de 2006.

Chegamos tarde na base do Bauzinho, pois ainda estava cansado da guiada do dia anterior. Como em todas as vias tradicionais, sempre é meio difícil achar a via que você vai escalar por conta delas serem meio afastadas umas das outras. Através do croquis do Eliseu consegui identificar a via “V” de Vitória e logo na sua esquerda o primeiro grampo, seguido de chapas da Lidiane.

A primeira enfiada é bem técnica, com um lance de uma barriguinha meio vertical/negativa sem mãos, onde você é jogado para fora e tem que subir os pés para encontrar um reglete salvador à uma certa altura. Depois disso, ela fica mais tranquila e continua bonita.

A segunda enfiada é um quinto bem técnico e não menos desafiador, com lancezinhos de pé para ganhar altura. Estes lances foram bons para comprovar a eficiência da borracha desenvolvida pelo Snakinho, que ressolou minha sapatilha. Na terceira, existe uma parada intermediária que pode ser ignorada. Depois dela há um platô com mato, que é desviado pela direita até achar uma parede mais vertical bem protegida.

A quarta certamente é a enfiada crux, composta por um diedro negativo, mas com boas agarras. Apesar do risco eminente de quedas, o local é bem protegido. Na quinta, há alguns lances de pé com a presença de uns cristaizinhos para se segurar. A sexta é uma das mais lindas, vertical e com agarrão.

Minha opinião sobre a via é que ela é muito bonita e bem protegida. Com um grau técnico intermediário é boa para quem quer começar uma via que exige tecnicamente, mas que ainda não tem equipamentos e nem psicológico para uma parede mais comprometedora, pois não precisa de móveis e também tem pouca exposição.

Maria na saída da via Lidiane Arnaud

Chegando na primeira enfiada da via Lidiane Arnaud

Escalando a via Lidiane Arnaud

Escalando a via Lidiane Arnaud

Maria numa das paradas da via Lidiane Arnaud com o Baú ao fundo.

Crux da via Lidiane Arnaud

Crux da via Lidiane Arnaud

Nas aderências do Bauzinho




Vista do Baú desde o Bauzinho.

Bebemorando no cume.

Um comentário:

Frederico Quintão disse...

Eu tenho uma corda exatamente igual a essa sua!