Blog do Pedro Hauck: O que fez a Casa de Pedra fechar?

22 de dezembro de 2009

O que fez a Casa de Pedra fechar?




O título desta postagem é uma pergunta que também poderia ser expressa da seguinte maneira: Por que a escalada em São Paulo não deu certo?

Para muitos esta pergunta parece estranha, pois a cidade de São Paulo tem os melhores escaladores do país e isso eu não nego. O problema é que em São Paulo, passado a moda da década de 90, a escalada não se estabilizou como uma cultura.

Eu sou paulista e comecei a escalar, sobretudo, pelas facilidades que a moda da escalada proporciou aos principiantes no final da década de 90. Entretanto de 2004 pra cá a escalada decaiu muito!

Quando me mudei para Curitiba, em 2007, percebi que esta decadência só exisitia em São Paulo e descobri que no Paraná e em todo o Sul, a escalada e montanhismo era algo muito tradicional e antigo e que São Paulo era um lugar secundário neste cenário nacional.

Entretanto como o Brasil é paulicêntrico, eu tinha a impressão que antes da década de 90 não existia a escalada no país, afinal, só quando ela se tornou "moda" em São Paulo é que se tornou evidente e os meios de comunicação sempre exploraram a escalada e montanhismo de forma superficial e nunca tinha tido acesso à rica cultura do montanhismo que existe há muito tempo tanto no Sul, quanto no Rio.

Em Minas a escalada e montanhismo também é recente e como em São Paulo, explodiu após a década de 90. Mas diferente de SP, em Minas ela se perpetuou e se recriou. Hoje só em Belo Horizonte há o mesmo número de ginásios de escalada que todo o Estado de São Paulo junto, após o fechamento da Casa de Pedra do Morumbi.


Então por que em São Paulo a escalada não foi pra frente?

Na minha opinião isso aconteceu por conta da cultura do paulistano, uma cultura que é conflitiva com a cultura do montanhismo.

A escalada foi na década de 90 um objeto de consumo, uma moda, que como toda moda em SP tem vida curta.

Durante a moda, o paulistano consome, mesmo que isso custe caro. Vários parasitas se aproveitaram, sugaram todo o dinheiro e depois que a escalada passou a não ter a pompa que tinha antes, estas pessoas e empresas sumiram.... Em São Paulo a escalada foi mais praticada por publicitários, do que por montanhistas e este foi o motivo para a decadência da atividade na capital ao ponto que já não há mais uma equação que permita que uma Casa de Pedra fique aberta.

No fundo, montanhismo e escalada não dá dinheiro. Estas são atividades difíceis que requer muita coragem, bom condicionamento físico e acesso à meios naturais. Eu não estou dizendo que ginásios são aberrações, pelo contrário, é o melhor meio para uma pessoa se tornar um bom montanhista, mas pra isso acontecer, ela deve assimilar a cultura do montanhismo.

O que houve foi que as pessoas não assimilaram esta cultura. Trocaram os fins pelos meios e quando a moda passou, os holofotes se apagaram, elas deixaram o montanhismo de lado.... Onde elas estão hoje? Ora, veja as atividades de "aventura" que estão atualmente na moda e tire suas conclusões...

Por fim, é até bom o fim da moda da escalada, mas é terrível suas consequências, pois infelizmente foi a grande quantidade de pessoas escalando que manteve aquecido as  vendas nas lojas e o funcionamento dos ginásios. Isso era bom, pois foi através deste dinheiro que locais como a Casa de Pedra foram criados. Mas só amor pela escalada não mantém grandes estruturas abertas e por fim a escalada como um todo saiu perdendo...

Não deixe de ler o artigo completo que escrevi sobre a temática em minha coluna no site AltaMontanha: Fechamento da Casa de Pedra e o cenário dos Ginásios no Brasil

5 comentários:

tacio philip disse...

Não acredito que seja esse o problema. O que vejo é que os empresários do ramo são péssimos empresários, não sabem trabalhar custos, análise de mercado e nem marketing do seu produto.

Não é um escalador que paga mensalidade que sustenta um ginásio, mas sim diaristas que vão uma vez, escalam, ganham uma diária ou vale desconto, voltam outra vez e depois somem. Mas isso não é problema porque outros voltam a aparecer.

Mas ai é só comparar um pouco valores: Um cinema custa R$14,00, um cinema 3D R$19,00, um teatro uns R$50,00, um boliche uns R$30,00, um kart uns R$90,00. Quem você acha que não se sentiria um idiota em pagar R$35,00 para escalar em uma parede de madeira com um monte de agarra de resina parafusada??? E principalmente porque um diarista escala 3 vias e está com os braços acabados e tem que ir embora.

Tudo bem que os custos em São Paulo são mais altos que em outras cidades, não vou querer comparar com ginásios e seus custos no PR ou MG, mas acho que tem uma boa pitada de exagero nos custos da CP.

E vamos ver se é uma decisão séria mesmo, mostrando timidamente que talvez esteja diminuindo (mas eu lembro de quando a CP só tinha a unidade que está sendo fechada) ou só MAIS UMA jogada de marketing para os mensalistas ficarem com dó do ginásio...

Parofes disse...

Acho que ambos têm pontos de vista válidos.
Concordo com sua matéria Pedro, li toda no alta montanha e até acredito em parte que a fase de moda passou.

Por outro lado, o Tácio tem razão quando diz que são os diaristas que sustentam o ginásio de escalada.
Eu por exemplo quando vou lá escalo três ou quatro vias e pronto, acabou o braço! Vou quando tenho tempo.

Daí surge uma nova vertente: Com a queda eminente do modismo de escalada, será que os diaristas continuam mesmo sustentando o ginásio? Acho improvável já que deixa de ser moda, atrai menos modistas, reduz o número de diaristas.

"Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?"

Outra coisa: Mapeamento de custos: Quando ele é mau feito, uma empresa pode quebrar! Sei porquê trabalho na área financeira ha 14 anos. Uma má administração pode fazer isso.
Entretanto, quando a empresa não está disposta a reduzir sua margem de lucro, é melhor fechar do que "trocar seis por meia dúzia". Isso é fato.

Rapaz isso dá pano pra manga...kkkk

Abraço!

Victor disse...

Quanto custa montar um ginásio? Algum parceiro para tentar montar um na zona norte? :-)

Orlei Jr. disse...

Como não dá retorno($) eu vivo disso a 15 anos!!! Obviamente que não dá para ficar rico, mas não é esse o meu objetivo.

Orlei Jr. disse...

Baixa o preço que não fecha! É muito simples!