Blog do Pedro Hauck: Aclimatando no Chacaltaya

15 de julho de 2009

Aclimatando no Chacaltaya


Refúgio Chacaltaya e nosso carro à 5300 metros!


Aclimatação é o pior momento de uma expedição à alta montanha. Todo mundo que deseja ir à altitude tem que fazer seu corpo acostumar com as condições de pressão e falta de oxigênio e isso só acontece indo para a altitude.

O corpo não se aclimata de um dia pra outro, então subimos até um lugar alto e ficamos lá sem fazer nada até que a gente sinta que estamos bem, isso significa dizer que ficamos em um lugar alto até não ficarmos mais ofegante por nada e não termos mais dores de cabeça e outros problemas relacionados...

Passamos diversas noites acampados à uma altitude de 4700 metros próximo à represa de Zongo e depois que já estávamos bem, resolvemos subir até os 5300 metros da ex. estação de esqui do Cerro Chacaltaya.

Passamos duas noites lá em cima. Ficamos todo esse tempo sem fazer quase nada, apenas conversando, escrevendo (eu estudei um pouco!) e bebendo água. A primeira noite ventou e fez muito frio. De dentro do refúgio eu já me preocupava com o carro lá fora.

Na manhã seguinte fomos ver como estava e meu receio estava certo: O carro estava congelado!

Isso é um grande problema, pois se a água do carro congela, ela pode dilatar e quebrar o radiador e as mangueiras do sistema de arrefecimento, além é claro de danar a bomba d'água. Claro que quando você está perto de casa isso é fácil de resolver, mas aqui em cima de uma montanha e ainda em um país que não tem carros Ford, a preocupação aumentava, pois como faríamos para encontrar peças de reposição de um Ecosport?

Por fim conseguimos fazer o carro descongelar, colocando no sistema de arrefecimento água fervendo e fazendo-a circular, coletando no final a água que estava com fluido anticongelante (??). Aliás, que merda de fluido é esse que vende no Brasil que não agüenta uma temperatura negativa?

Resolvido o problema, passamos mais uma noite na altitude. Eu e o Hilton dormimos no refúgio e o Maximo dentro do carro, fazendo-o funcionar de tempos em tempos durante a madrugada para que ele não congelasse novamente. Mesmo no "conforto" do refúgio, não pude deixar de me preocupar com o Maximo, quero dizer, com o carro... Ele é nosso meio de transporte e, além disso não é nem meu. Eu que nem tenho tanto dinheiro pra ficar aqui, iria ter que desembolsar uma grana pra importar a peça dele caso algo desse errado. Ainda bem que o carro é bom e nada aconteceu.

Agora iremos para nossa primeira montanha, finalmente! Tantas coisas aconteceram nesses últimos dias, doenças, problema com carro, aclimatação... Enfim agora é só escalar, ou seja, fazer o mais fácil!

Onde estarei não há internet, assim que só na volta a La Paz poderei dar noticias, espero que nossa má sorte tenha se esgotado!

Abraços e até a próxima!

:: Continue lendo esta história

Eu estudando durante a aclimatação no refúgio Chacaltaya.

Estrada para o Chacaltaya e o Huayna ao fundo.

O refúgio e o pessal dando um jeito no carro congelado.

Vista para a cidade de El Alto e o canyon de La Paz desde o Chacaltaya.

Illimani desde o Chacaltaya.

Opa, o carro tá bom!!

Camas à 5300 metros! Ótimo lugar pra aclimatar...

Cozinhando no refúgio!

Huayna Potosi ao entardecer.


3 comentários:

Parofes disse...

Cara que triste...
Estive no Chacaltaya tem só 3 meses e houve uma boa precipitação, tinha até 40cms de neve em alguns lugares!
Agora isso, a montanha totalmente negra. Que triste...
Boa investida a primeira montanha. Se for a que eu imagino devem dar notícias novamente em 6 ou 8 dias.
Sorte!

tacio philip disse...

O problema não é o líquido anticongelante no radiador mas sim quantas vezes vc completou o reservatório do radiador usando ele? :-D

Kaoru Noda disse...

Nossa, que lugar, que visual massa.
Pedro, se soubesse te mandava uns anti-congelantes daqui que é excelente, não deixa congelar nunca, mesmo com temperaturas -35 graus.
Mas ve se não judia do Maximo, fazendo ele dormir no carro,rs.
Forte abraços e desejo que a cada dia, vcs estejam mais perto do objetivo.