Blog do Pedro Hauck

22 de junho de 2017

Big 1000 Anhangava 2017

No dia 18 de Junho de 2017, Fábio Lima e eu completamos o desafio Big 1000 no Anhangava.

Este é um grande desafio de escalada que te obriga a tecer estratégias, ter bons equipamentos, conhecer bem o morro, tanto os acessos quanto as vias, ter total domínio e fluência nas técnicas de escalada, além de bom psicológico e ótimo preparo físico.

Tudo isso? Sim!

Apesar de ser uma montanha, o Anhangava não tem grandes paredes. Suas maiores vias tem apenas 100 metros e exige longos e complicados rapéis. Na receita inclui também ser organizado para evitar cachorro na corda e enroscos.

Abaixo está o vídeo que produzi, com nossos parcos recursos e sem ajuda externa. Inspire-se para repetir também!




5 de junho de 2017

Mais vias em móvel no setor da Sétimo Dia – Anhangava

Há duas semanas atrás comentei da realização de uma via em móvel que sai da base da via Sétimo Dia e termina na parada da via Diversão Garantida. Retornando ao Morro, me deparei com outra possibilidade utilizando esta mesma parada. Desta vez saindo da base da Peón e chegando nesta mesma parada.

Esta linha, que ficaria na direita da Diversão Garantida e esquerda da Peón pode ser repetida apenas com proteções naturais. Utiliza-se um camalot n. 2 logo na saída. Depois há dois lances que podem ser protegidos com fitas em bico de pedra. A linha chega perto do grampo antigo que ainda está na parede, porém pode ignora-lo e proteger em uma fenda pequena com uma peça tamanho 0.4 a prova de bomba.

A linha segue naturalmente indo ligeiramente à direita para cima, sem invadir nem a Peón nem a Diversão até um local onde há algumas orquídeas. Ali desvia-se para a esquerda para chegar na última proteção da Diversão (uma chapa PinGo) e enfim utilizar a parada desta via. No entanto, a linha natural belíssima (dá um quinto) fica muito exposta e não há como proteger naturalmente.

Acaba que somos seduzidos para ir mais para a esquerda e usar as duas chapas finais da Diversão, com uma proteção no meia dela feita com um camalot n. 1 numa fenda boa (à prova de bomba!).

Com isso, o Setor da Sétimo dia, apenas com a adição da parada da Diversão da Sétimo Dia ganhou 2 vias! Sendo que uma é mista (a própria Diversão Garantida) e duas em móvel.

Fica então uma necessidade de dar nome a estas linhas (a linha da esquerda - número 3 - e linha da direita - número 5 - da Diversão - número 4), pois já tá dando confusão! Abaixo tenho um croquis com as linhas para poder identificar.

As vias do setor Sétimo Dia (fora a possibilidade de vias em top rope: 1) Sétimo Dia, VIsup, 2) Sétimo Dia em Móvel, VI sup(?), 3) Via em móvel (nome?), V, 4) Diversão Garantida, V, 5) Via sem nome V(?), Peón, IIIsup. 


No ultimo post, quando descrevi a linha da esquerda, Ronaldo Franzen comentou que aquela linha chamava-se Parede das Orquídeas. Sua descrição, no entanto, me deixou na dúvida, pois ele diz que esta linha foi escalada há bastante tempo e não havia a parada da Diversão. Seria mesmo esta linha? Esta outra da direita já foi solada há muito tempo, o próprio Dubois saia da Peón e ia até a Sétimo dia. Qual seria o nome da via?

Saída da via com proteção feita com um camalot n.2. Lance bem divertido.

Local onde é protegido com uma fita. Segunda proteção da via.

Terceira proteção feita com um camalot .4

VEJA MAIS

:: Vias em móvel no Setor da Sétimo Dia

31 de maio de 2017

Aonde deixamos as cinzas do Parofes

Parofes um pouco antes de morrer

No dia 10 de Maio de 2014 nosso amigo Paulo Roberto Felipe Schmidt, o Parofes, nos deixou.

Nos anos que se seguiram, deixamos suas cinzas espalhadas em várias montanhas nos Andes e no Brasil também, com histórias bem divertidas. 

Bom, você pode pensar que é meio mórbido falar de algo divertido no meio de um fato tão triste. Porém a verdade é que o Parofes soube encarar muito bem o fato de estar perto do fim, sendo inclusive bem humorado.

Antes dele morrer conseguimos nos despedir. Um privilégio dizer tchau para alguém que nunca mais você verá em vida. Na despedida ele continuou sendo bem humorado e me pediu para que eu depositasse as cinzas dele em Agulhas Negras. Perguntei se poderia jogar em montanhas nos Andes, e ele disse que sim, mas que não podia esquecer de de jogar em Agulhas, que era a montanha favorita dele.

A primeira parte eu cumpri. Joguei as cinzas dele em 32 montanhas diferentes (ver lista abaixo). Porém faltou jogar em Agulhas Negras. 

Ele me disse que, se eu não jogasse, ele iria puxar meu pé para debaixo da cama. Ele também não cumpriu....

Passando pelo Everest, me deparei com o memorial dos mortos na montanha. Havia gente famosa, como Rob Hall, Scot Fischer, Babu Sherpa e outros. Ficou agora dois totens a mais. Uma para o Parofes e outro para o Davi Marski, que morreu meses mais tarde num trágico acidente com abelhas em Andradas.

Assista ao vídeo:



Montanhas onde depositei as cinzas do Parofes:

1. Chaupi Orco: 6044 metros; Bolívia/Peru
2. Chachacomani: 6074 metros; Bolívia
3. Chearoco: 6.127 metros; Bolívia
4. Acotango: 6052 metros; Bolívia/Chile
5. Capurata: 6008 metros; Bolívia/Chile
6. Guallatiri 6071 metros; Chile
7. Uturuncu: 6008; Bolívia
8. Macon; 5520; metros; Argentina
9. Acay: 5745 metros; Argentina
10. Quewar: 6150metros; Argentina
11. Socompa: 6051 metros; Argentina/Chile
12. Mercedário: 6735 metros; Argentina
13. Tres Cruces Central: 6766 metros; Chile/ Argentina
14. Vicunas: 6078 metros; Chile
15. Ojos del Salado: 6890 metros; Chile/Argentina
16. Huayna Potosi: 6088 metros; Bolívia
17. Illimani: 6440 metros; Bolívia
18. Famatina: 6100 metros; Argentina
19. La Brea: 5225 metros; Argentina
20. Lagunas Bravas: 5350 metros; Chile
21. Chifu: 5040 metros; Chile
22. Lomas Coloradas: 5300; Chile (conquista)
23. El Morado 5290 metros; Chile (conquista)
24. Sierra de Aliste: 5200 metros; Chile
25. Vulcão Copiapó: 6050 metros; Chile
26. Patos: 6288; Argentina / Chile
27. Sierra Nevada: 6137 metros; Chile/Argentina
28. Passo Cerrado: 5079 metros; Chile
29. Parofes: 5845 metros; Argentina (conquista e nome em homenagem ao Parofes)
30. Baboso: 6080 metros; Argentina
31. Bonete Chico: 6779 metros; Argentina
32. Veladero: 6430 metros; Argentina


25 de maio de 2017

Prestação de contas da campanha de ajuda à Edson Struminski

Escalando com Dubois no Rio, ano de 2012

No começo deste ano, todos foram surpreendidos com a terrível notícia de que nosso amigo Edson Struminki, o Dubois, estava com uma terrível doença, um sarcoma na perna.

A doença se espalhou rapidamente e não houve tempo dele e sua família conseguirem o auxilio do SUS, o que fez com que eles fossem buscar auxilio com médicos particulares. Cada dose de quimioterapia custava 12 mil reais, um valor muito elevado para um brasileiro comum.

Diante deste dramático problema, diversos amigos fizeram de tudo para ajudar Dubois financeiramente para pagar seu tratamento. De minha parte realizei 3 sorteios de produtos doados por empresas do meio de montanhismo.

Infelizmente Edson faleceu durante a realização da terceira rifa.

No total consegui através desta ação a doação de R$8228.35

Abaixo tenho todos os comprovantes de pagamentos que realizei em sua conta e no ultimo na conta de sua mulher, a Miriam.

Agradeço a todos que participaram da rifa, comprando os números e divulgando a ação. Agradeço bastante as empresas que ajudaram doando produtos: Conquista Montanhismo, Alto Estilo, Alpamayo, Globalstar (Spot Brasil), Go Live. Ao site AltaMontanha pela divulgação, à loja AltaMontanha que arcou com os custos de envio das mercadorias.





17 de maio de 2017

Vias em móvel no setor Sétimo Dia, Anhangava

Sempre olhei para o setor da Sétimo Dia no Anhangava achando que havia muita parede para pouca via. Trata-se de uma parede de cerca de 30 metros lateral que tinha apenas a própria Sétimo dia e a Peón equipada.

Há pouco mais de um mês, o escalador Ingo e amigos equipou outra linha, que era uma escalada em solo, a "Diversão Garantida". A via é uma escalada mista, um estilo raro no morro que tem praticamente vias fixas. Esta nova via ganhou uma parada própria e isso permitiu uma nova possibilidade.

Neste final de semana escalei a Diversão Garantida com a Maria Tereza e no rapel percebi que poderia escalar outra linha mais à esquerda. Desci até o platô da Sétimo Dia e escalei em top esta linha. Percebi que havia muitos locais para proteger em móvel. 

Mais tarde encontrei o Roniel, Mengue e o Navarro e comentei sobre esta escalada. Eles me disseram da possibilidade de fazer a Sétimo Dia em Móvel evitando o teto inicial. Isso seria uma quarta linha naquela parede (que eu não sabia que existia) que termina na parada da Sétimo Dia. No entanto não era isso o que eu estava falando, pois a outra linha termina na nova parada daquela parede.

Roniel estava com suas peças. Então o convidei para voltar ao setor e escalar a linha sacando os móveis. Foi o que fizemos. A via fica na direita da Sétimo Dia em móvel e na esquerda da Diversão Garantida. Esta linha apenas utiliza a ultima chapa da Diversão e sua parada e ela começa na laca grande, saindo da base da Sétimo Dia. É possível proteger ela inteira com peças pequenas e quem quiser "treinar" antes, é possível fazer em top.

Com isso, o setor da Sétimo Dia, de muita parede com pouca via. Apenas com a instalação da Parada da Diversão, ganhou inúmeras possibilidades de escalada em móvel. Ela é de fato uma bela parede com muitas vias: São 5, tirando as possibilidades de top rope e solo (ver ultima foto).

O Morro mostra sua vocação de escola. Reunindo inúmeros estilos num lugar só. E a gente que achava que não havia lá local para escalar em móvel, Havia uma via que ninguém sabia que havia. Para repetir esta linha, é necessário peças pequenas e médias. Camalot 0.4, 0.5, 0.75, 1 e 2. São 5 lugares que dá para proteger, sendo que 4 são à prova de bomba!

Não estou afirmando que conquistamos a linha. No entanto após questionar sobre ela para diversos escaladores (Julio Nogueira, Chiquinho, Bonga e os já citados), ninguém sabia o nome e se ela havia sido escalado nesta maneira (sabemos que por ali muita gente escalava transversalmente em solo da Peón até a Sétimo Dia). Se alguém souber o nome avisa. Vale a pena repetir!

* As fotos são de Roniel Fonseca

Começo da escalada. É possível proteger com um camalot n. 1 local no começo.

Escalando logo após a primeira proteção.

Local onde é possível colocar uma segunda peça.

Local onde se pode colocar uma terceira peça. 

Uma visão geral onde se tem noção pode onde se escala.

Com Roniel no fim da via a parada da Diversão Garantida.

As vias do setor Sétimo Dia (fora a possibilidade de vias em top rope: 1) Sétimo Dia, VIsup, 2) Sétimo Dia em Móvel, VI sup(?), 3) Via em móvel (nome?), V, 4) Diversão Garantida, V, 5) Via em móvel sem nome, 6) Peón, IIIsup.