Blog do Pedro Hauck

18 de setembro de 2017

Mountain Festival 2017

Rolou em São Bento do Sapucaí o Mountain Festival 2017, um evento que promete ser o maior do montanhismo brasileiro.

Diferente de outros eventos de escalada, o MF abriu as portas para todos os esportes de montanha, não apenas a escalada em rocha, mas também o montanhismo de travessias, de alta montanha, corrida de montanha, mountain bike, voo livre e claro, todas as modalidades de escalada, do boulder ao tradicional.

Casa cheia para assistir minha palestra
Participei como palestrante, onde ministrei a palestra sobre o montanhismo praticado pelos incas há mais de 500 anos atrás. Uma palestra que venho ministrando há algum tempo em diversos locais e que tem agradado muito, sempre com o publico tendo muito interesse.

Também participei como apoiador, como Naturehike, a marca de barracas e equipamentos de camping que somos distribuidores. Novamente foi uma atração, onde o publico pôde ver a qualidade dos materiais. De fato equipamentos que vieram para ficar, com ótima relação de peso e custo. Não é a toa que vem fazendo muito sucesso.

Como ninguém vive só de trabalho, aproveitamos o domingo para escalar e junto com a Maria e o Fábio repetimos a via V de Vitória, conquistada pelo Rafael e o Mario Arnaud. 

Quem nos deu a dica foi o proprio Rafael, que me passou os betas e emprestou um par de estribos e cliff: _ Cara, tem um lance em artificial de cliff, você vai ver só, escala assim e assado e pronto!

Fomos para a parede com as dicas, mas confesso que nem prestei muito atenção. Estava achando que a escalada seria trivial. Como estava também com muitas coisas na cabeça, acabei indo com aquela ideia: _ Escalo o que tiver pela frente!

Enfim, logo na saída da via, encontro um lancezinho um pouco dificil. Porém vejo um furo e penso: _ Tá aí o furo do cliff! Passei com os estribos.

Após este lance, fiquei tranquilo. pensando que o pior havia passado. Assim fomos passeando pela parede. Numa cordada de três, alternava as guiadas com o Fábio e a Maria, com unha encravada, ficava no meio.

Eis que chego na base de um paredão negativo com muitas foliações. Observo e acho que é um lancezinho factível, pois havia muitas agarras. Porém, era a vez do Fábio escalar, que foi com cautela.

E o Fábio foi reclamando, claro, que no jeito do Fábio, bem silencioso. Ele reclamar de algo é por que este algo é realmente dificil. 

Após tentar de inúmeras vezes, vou dando a dica dele subir segurando as costuras e assim, escalando, costurando e escalando novamente ele venceu o lance.

Quando entrei na parede é que me dei conta de que aquele era o lance dos estribos, que o Fábio fez parcelado e sem juros. Tá bem o piá!

O Mountain Festival foi um ótimo evento! Vida longa ao Festival!

Barracas Naturehike

Saidinha que artificializei o lance, ou seja, roubei!

Maria escalando.

Fábio, Maria e eu com o Baú atrás.

Eu dando segurança para a Maria

Fábio e a Maria vindo atrás. Eu na parada indo de terceiro nesta enfiada.

Palestra sobre o Montanhismo dos Incas.

7 de agosto de 2017

Thule Experience 2017

Participei do Thule Experience deste ano, um evento promovido pela Thule do Brasil para mostrar as novidades da marca deste ano e as tendencias para o ano que vem.

Recebi o convide do Giuliano, o CEO da marca aqui no Brasil e tive a satisfação de poder apresentar uma palestra sobre minhas ultimas experiências na montanha, além de conhecer outros atletas e empresários do meio da montanha no Brasil. 

Foi uma grande satisfação conhecer pessoalmente pessoas como Luis Yoiti da Bivak, Pedro Leite da Adrena, o guia Rodolpho da Serra Fina e tantas outras pessoas que já conhecia pela internet. Além é claro de finalmente poder conhecer o Refúgio Serra Fina, do caprichoso Mauricio Anchovas.

Agradeço muito à Thule do Brasil por acreditar em meu potencial e também por nos equipar com produtos de tanta qualidade que uso em minhas expedições. 

Abaixo deixo algumas fotos que surrupiei dos participantes. Muito obrigado a todos!




 









2 de agosto de 2017

Juquices do meu avô

Meu avô Juca era um sujeito um tanto folclórico, uma grande figura. Dentre suas manias, chamava a atenção sua preocupação exagerada contra o desperdício. Ele não jogava nada fora que não achasse que fosse um dia precisar. Um pote de manteiga poderia guardar pregos, um parafuso arrumar um aparelho defeituoso e até jornal velho poderia dar uma noticia nova. O exagero era tão grande, que o hábito de guardar tranqueiras, ainda mais seguido com o hábito de esquecê-las, quando poderiam ser úteis, virou um verbo na família: Jucar.

Acho que consegui me livrar de algumas Juquíces que pudessem ser hereditárias, eis que um dia me vi cair de cabeça, literalmente, em uma delas.

Morando em Curitiba há 5 anos, pude praticar o hábito de separar lixo reciclável. Cidade verde, capital ecológica e povo politicamente correto é assim. O condomínio onde moro segue a fama da cidade e tem uma estrutura especial para guardar aquilo que ninguém mais quer: o lixo. São 5 tampas metálicas sobre uma estrutura de alvenaria que quando abrimos temos acesso a grandes tambores de plástico, aonde é descartado o lixo. Estes tambores, por sua vez, são acessados da rua por um portão que só o lixeiro e o porteiro têm a chave.

Numa certa tarde, estava jogando meus recicláveis fora, quando ao abrir a tampa metálica do lixo vejo dentro do tambor uma embalagem de pizza intacta. Até aí tudo bem, a caixa de pizza estava dentro do reciclável, não tinha nada orgânico, a não ser uns restinhos de queijo e um cheirinho residual de chorume. O “X” da questão era que a tal caixa de pizza era de uma pizzaria que fica em frente ao condomínio que tem a seguinte promoção: Juntando 10 selos presentes na embalagem de uma pizza gigante, você ganha uma pizza grátis. Eu já tinha 9 selos em casa e tinha a chance de completar meu prêmio. Sem ter faca ou canivete em mãos, cortei a embalagem com a chave de casa que num descuido caiu dentro do tambor.

Fiquei sem saber o que fazer. Chamar o porteiro para ele abrir o portão por onde entra o lixeiro demandaria muito tempo, ignorar a chave e ficar com uma cópia seria impossível, pois sem aquela, não dava para entrar no apartamento. Espertamente optei pela possibilidade mais fácil, rápida e inteligente.

Chamei minha namorada, que estava no carro, para segurar a tampa do latão, ao tempo em que me debrucei sobre o lixo. A chave estava muito abaixo no tambor, precisei remover umas latas, uns papeis e caixas de papelão, mas não a encontrava. Pior ainda, o tambor era alto e não alcança o fundo para poder vasculhar e encontrar aquele maldito material metálico tão perfeitamente camuflado com outros lixos.

Não podia falhar em minha tentativa, debrucei mais, ficando apenas com minha barriga apoiada na boca da tampa de latão, mas com o tórax e a cabeça enfiada no lixo. Neste momento, minha namorada teve que segurar minha perna, para eu não cair de cabeça no tambor, até poder vasculhar seu interior e achar meu tesouro.

Minha sorte é que estou um pouco acima do peso e as calças agüentaram firme. Se eu tivesse feito isso na volta de uma expedição em montanha, certamente teria caído de cabeça no fundo do lixo e ainda teria ficado sem calça...

Engane-se que o tesouro foi ter recuperado a chave. Pizza de graça não tem preço! E não se esqueça, um dia você irá conjugar este verbo também:

Eu Juco, tu jucas, ele juca, nós jucamos, vós jucais eles jucam.

Este mes fez 5 anos que meu avô partiu, saudades das juquices....

31 de julho de 2017

Escalada no costão da Lagoa, Florianópolis

O costão da Lagoa é certamente um dos locais mais bonitas para escalar no Sul do país. São 3 setores, sendo que o 1 e o 2 são os mais consagrados, com vias bonitas, muitas com mais de 2 enfiadas. Vias fixas, mistas e móveis. Diversão garantida para todo o final de semana.

Com o intuito de fazer o Fábio e a Maria treinarem escalada em móvel. De quebra levamos o Robson, aluno do curso de rocha de Curitiba que já está fluente. Fomos passar o final de semana neste paraíso, que tem uma das 50 vias clássicas do Brasil.

Final de semana perfeito, gastando muito pouco. Uma prova de que pode ser feliz com pouco. Basta ser insistente e pegar estrada.

Parede do setor 2

Maria estudando a via

Via em móvel

Via em móvel

Robson de segunda em uma das vias do setor 2. 
Fábio guianda a via da Bunda, um 7a bem técnico.



Fábio na segue e Maria de segundo.



Fábio entalando as peças móveis.

Fábio em mais uma via em móvel

Mostrando o setor 2 


Vista do setor 2

Dique de diabásio na base do setor 1.

Maria em uma das saídas da Tarde de Outono.

O tal do quad. 
Robson no setor 1.

Maria no setor 1.

Via Tarde de Outono.

Preparando o segue no setor 1. 
Maria no setor 1.

Topo do morro da Galheta

Piscinas naturais.

17 de julho de 2017

10 anos ministrando cursos de escalada

Neste ultimo final de semana ministrei junto com Rafael Wojcik e Maria Tereza Ulbrich mais um curso de escalada em rocha em Pedra Bela.

É a terceira vez que ministramos este curso de maneira concentrada, em 3 dias e 2 noites, nos hospedando na Pousada Alma de Pedra do Alexandre Anderson e tendo com isso uma ótima estrutura. 

O resultado não podia ter sido melhor. Mesmo com tempo apertado todos aprenderam muito bem, escalaram um grande volume de vias, tanto em top rope, quanto guiado. Isso mesmo! Neste método o aluno sai cansado de tanto guiar!

Como sempre me divertir em ensinar. E foi muito bom mesmo. Neste curso tivemos a presença de uma mãe e uma filha, a Lia e a Mel. Ambas escalaram super bem, com fluência e sem medo. Fiquei muito feliz em ver a família unida em torno da escalada. Aliás, a escalada familiar é algo que tem tudo para se desenvolver, na dependência da existência de vias de escalada fáceis e bem protegidas para iniciantes.

Falando nisso, conseguimos a autorização do Airton Ortiz para modernizar avia A2B, uma via de 3 e 4 grau de duas enfiadas que chega no cume. Essa via é bem interessante, seguindo uma linha bem definida, mas era muito exposta e perigosa para guiar. Adicionamos 5 chapas e agora dá para guiar essa via sem problemas, sendo uma alternativa às vias mais movimentadas.

Na volta para casa percebi que fizeram 10 anos desde meu primeiro curso de escalada, que foi ministrado no CPM em 2008 junto com o Hilton Benke. Este curso então foi para comemorar este 10 anos ensinando pessoas a escalar! Muito a comemorar!


Alexandre Anderson mostrando suas cadeirinhas antigas.

Alunos aprendendo a dar nó.

Alunos aprendendo a dar nós.

Aula teórica.

Aula teórica

Aula teórica

Aula teórica.

Aprendendo a fazer rapel com auto segurança.

Aula de rapel.

Aula de rapel.

Aula de rapel.

Rapel com auto segurança.




Fazendo top rope









Nó perfeito!



Assistindo o pôr do sol!

Pôr do sol em Pedra Bela.



Carol guiando

Jhonatan guiando.


Jhonatan e Carol Guiando.

Eduardo guiando

Ericka Guiando.

No platô.

Mel a menina prodígio escalando!

Mel a menina prodígio escalando!

Mel a menina prodígio escalando!

Carol

Mel preparando o segue pra sua mãe.

Lia.

Carol na parada.

Mel e Lia. Filha e mãe escalando!

Eduardo chegando na parada.


Rafael melhorando a proteção da viaA2B de Airton Ortiz. Agora dá para guiar sem medo de se quebrar.

Bruna e Carol 


Dois Eduardos!

Uma das 5 novas chapas instaladas na A2B.

Visão da parede.




Mel a menina prodígio escalando!

Mel a menina prodígio escalando!

Mel a menina prodígio escalando!


Carol, já no curso escalou um 7a!

Carol experimentando uma via mais difícil.

Setor boas vindas!